Arquivo da tag: wtf

Aniversários, roupas que somem e DST’s

Aniversário é uma coisa complicada, né? Na verdade é algo polêmico. Tá, não é um assunto tão polêmico quanto mamilos, mas tá quase lá, poxa vida.

“ANIVERSÁRIOS… São polêmicos.”

Enfim, eu estava pensando e aniversários são difíceis. Tem gente que ama fazer aniversário, ficar mais velho, mais responsável e mais respeitável (Não sou eu que to dizendo isso, afinal, quem faz aniversário e fica mais responsável por isso? Por exemplo, o infeliz que faz 18 anos e começa a dirigir por ai bêbado, uma vez que ele já pode dirigir, comprar bebida e é responsável. Aham, a seu pai também). A verdade é que poucas pessoas maiores de 20 anos gostam de fazer aniversário, só os sub20 realmente gostam porque fazer 20 anos, aparentemente, é mágico… Deve ter algo legal em mudar de digito na casa da esquerda. Você é um ~jovem~, você é maior de idade no Brasil, se estiver na faculdade já tá na metade do curso, é um pseudo-adulto que ainda joga bola com os amigos do colegial de domingo e gosta de assistir Dragon Ball Z antes de dormir. Ou uma jovem bonita, estudiosa, que não deixa a mãe jogar fora as Barbies que estão mofando no armário. Além de, na 1ª viagem só com os amigos, pensar incontáveis vezes “minha mãe poderia estar aqui pra encontrar a minha sunga/parte de baixo do biquíni”.

“To com saudade da comida da minha mamain”

Falando nisso, mães tem o dom de encontrar coisas perdidas em casa. Sei la, deve ser um superpoder que você adquire assim que o filho sai pelo meio das pernas, todo ensebado, sangrando e chorando. Por exemplo, um dia uma das minhas camisas do Palmeiras sumiu, eu revirei meu quarto, o guarda-roupa, o guarda-roupa do meu irmão, o cesto de roupa suja, e nada daquela porra de camisa aparecer. “MÃE, QQ CÊ FEZ COM A MINHA CAMISA DO PALMEIRAS?” e ela, toda galante “TÁ LOUCA, MENINA? ACHA QUE EU VOU QUERER O QUE COM A SUA CAMISETA DE PALMEIRAS? PROCURA NA SUA BAGUNÇA, APOSTO QUE TÁ AI” “NÃO TÁ, MÃE, EU JÁ PROCUREI. QUE SACO, VIU. EU COLOCO AS ROUPAS PRA LAVAR E ELAS SOMEM, APOSTO QUE TEM UM BURACO NEGRO NA SECADORA”, dai a coisa fica perigosa, porque ela respondeu “Menina, se eu for ai procurar essa camiseta e encontrar, você vai ver só”. É nessa hora que você decide: é matar ou morrer; se ficar o bicho pega, se correr o bicho come; mas como eu sou rebelde falei “VEM PROCURAR, ENTÃO” e, claro, ela encontrou. “Eu devia te fazer engolir isso aqui pra você aprender a procurar as coisas direito”.

Mamãe Wins

Enfim, eu tava falando de aniversários, desculpem a falta de concentração, é que to ouvindo música, e quando eu escrevo ouvindo música a coisa fica nessa belezinha, porque eu tenho DDA, não muito do mal a ponto de eu ser meio lesada não conseguir me concentrar direito e errar tudo e divagar e esquecer do que eu tava falando olha um passarinho na janela.

Anyway, aniversários: pessoas que gostam de aniversário são parecidas com as que gostam de Natal. Pois bem, eu não gosto de Natal, porque eu acho idiota (pra caralho) todo mundo “feliz” e “unido” porque jesus nasceu. Dai aniversários são parecidos, porque as pessoas são legais com você só porque você nasceu… Tá, eu até gosto de aniversário quando só pessoas que realmente desejam minha felicidade, saúde, dinheiro e sexo, falam isso pra mim. Mas, por exemplo, tem gente que acha desnecessária essa atenção, uma vez que eles não fizeram “nada” pra que merecessem essas coisas, “jesus morreu por nós, enquanto eu não arrumei nem a minha cama hoje” <- Essa é uma boa frase.

Sei lá, eu gosto do meu aniversário porque eu ganho presentes mesmo, e dai? Uma vez que já não curto tanto “envelhecer”. Esse ano eu faço 21, serei maior de idade em to-dos-os-pa-í-ses-do-mun-do-mi-nha-gen-te, mas nem por isso eu to aqui saltitante, já que isso faz a minha formatura, a necessidade de efetivação no trabalho, casamento, filhos etc, mais próximos. PÂNICO PÂNICO. Mas pelo menos eu posso ir para os EUA e comprar bebida, pra beber na rua com a garrafa dentro daquele saquinho de pão. Isso sim é legal.

OBA

Mas tudo bem, você gostando ou não do seu aniversário, ele chegará, te fará mais velho(a), fará mais pressão para que você engate numa carreira, monte uma família e perca cabelos com seus filhos que farão sexo sem camisinha e, com sorte, só pegarão sífilis. (Tá, mentira, envelhecer é legal, você pode proibir seus filhos de praticarem qualquer ato babaca que você já praticou, mas eles vão te desobedecer, quebrar a cara e você dirá “EU TE AVISEI, SEU BONITINHO”)

Deixe um comentário

Arquivado em Domingando, ME AMEM, Wait... What?

(sem título)

Eu nunca gostei de ter muitos amigos próximos, porque eu tenho aquele conceito de muita gente = muita merda, então, sempre mantive distância saudável das pessoas. Até porque eu raramento gosto de pessoas. Pessoas são… Pessoas. São animais vertebrados, dotados de “inteligencia”, polegar opositor e são bípedes. E se acham muito importantes, muito lindos, muito especiais e espertos porque andam com as duas pernas, sem apoio das mãos, e conseguem usar um garfo.

yo soy muy especial

A verdade é que se relacionar com pessoas é muito difícil. Tá, relacionamento profissional e até ~sexual afetivo~ (existe esse termo, produção?) é fácil, o problema é ter amigos. Porque amigo é “amigo”, se você tem dois amigos sem aspas, parabéns, atingiu sua cota e não acredite no próximo bonitinho que aparecer dizendo que é seu amigo de verdade. O ser humano só é capaz de ser verdadeiramente amigo de, até, duas pessoas. E olha que duas já complica a situação. Ai, Isadora, sua amarga e mal amada

SOMEMO

Sei la, eu to preferindo tomar benzetacil (é assim que escreve?) a lidar com 99% das pessoas que eu conheço/converso/sou “””amiga”””. E olha que eu tenho um pânico desgraçado de injeção na bunda, seja benzetacil ou não. A última vez que eu tomei uma dessas, eu tinha uns… 14 anos, fui com meu ex-namorado e a minha mãe no hospital, na hora que o médico disse “ela vai ter que tomar uma benzetacil” eu disse que ia no banheiro e tentei fugir do hospital =^.^= Porque assim, eu prefiro reviver a semi do Paulista desse ano a tomar ssabosta de injeção. Mentira.

“Prefiro ter um filho viado a ter um filho que comente plágios” Se o senhor fosse pai dos meninos do NxZero, isso seria um Inception muito do mal.

Eu lembro quando o Taking Back Sunday fez o vídeo zuando o NxZero pelo plágio. Eu não gostava de nenhuma das bandas na época, mas achei genial. Pelo menos hoje eu gosto da banda plagiada e não dá que plagiou NOSSA, ISA, COMO VOCÊ É ESPECIAL. TOMA AQUI A SUA MEDALHA

Medalha pelo melhor bigode? *-*

Eu já ganhei uma medalha. Num campeonato de xadrez. É, amigos, eu tinha 7 anos, entrei na competição, era a mais nova, e consegui uma medalha de 6º lugar. Mas o que vale é participar, né? Eu fiquei feliz, vocês que tem inveja por não terem nem uma medalha de 6º lugar pra mostrar por ai, oks?

Anyway, eu só quis fazer esse post pra reclamar dos “amigos”. Ficou tudo muito ruim, mas o que vale é: eu poder ser passivo-agressiva aqui e não há nada que vocês possam fazer para me impedir HOHO ok, tchau

Deixe um comentário

Arquivado em Domingando, ME AMEM

Comida japonesa, comunistas e homem chorão

Assim, eu não gosto de comida japonesa.

E sim, eu já comi todos os sushis, sashimis, temakis, rolls [é esse o nome certo, produção?] e coisas com alga e arroz e coisas de comida japonesa. Mas é ruim, eu como aquilo e tem o mesmo gosto de um pesqueiro.

Mas como você sabe qual o gosto de um pesqueiro, Isadora Moraes? Você usa drogas ou só tem um tipo de problema?

Vocês já pescaram? O lugar tem cheiro de peixe e terra, ou seja, comida japonesa. Eu gosto de peixe, A LOT, mas peixe que não vem enroladinho na alga, com aquele arroz papa nojinho e nem nem nem, sei la, com pelos dos mamilos de japoneses.

“Me dá o peitinho que preciso fazer um temaki”

Mas o pior não é a comida japonesa, é a comida japonesa estar na ~moda~. Agora todo mundo que é legal e descolado gosta de comida japonesa, se você tem entre 18 e 40 anos, e não gosta dessa porcaria, você sofre bullying. É, experimente um dia, na mesa do bar ou na rodinha de amigos, dizer que não gosta de comida japonesa… A reação será igual, ou pior, caso você chutasse um filhote de husky siberiano ou tacasse fogo na sua mãe: “O QUE? COMO VOCÊ DIZ ISSO? COMO NÃO GOSTA DE JAPONÊS? É A MELHOR COISA QUE JÁ INVENTARAM. VOCÊ TAMBÉM TEM PELO NA ORELHA? TEM 6 DEDOS NO PÉ ESQUERDO? Acho que não podemos mais ser amigos.”

“Por uma lei que obrigue a Isadora a gostar de comida japonesa”

E essa mania de chamar a comida de “japonês”? Tá, deve ser a versão curta de “vamos a um restaurante japonês?”, mas amigos, dizer “tá afim de comer um japonês?” remete a muitas interpretações, e como eu sou bem babaca sempre penso, no mínimo, em antropofagia: japonês hoje não, vamos de cubano porque acho que só comendo um que eu vou entender o comunismo.

“NINGUÉM VAI ME COMER HOJE NÃO”

E acho que toda essa situação explica o porque da Kiki não deixar eu tomar banho ou comer na casa dela, já que eu dormi lá essa semana, (ALO, KIKI, EU SEI QUE VOCÊ TÁ LENDO E EU DISSE QUE IA TE DENUNCIAR), porque aparentemente ela ama comida japonesa e não entra na cabeça dela que ela tem uma amiga que não gosta. (tá, exagerei. Não me odeie, Kiki).

Isso tudo me lembra: no trem de Osasco, essa semana, tinha um cara dizendo que não conseguia pegar mulher porque ele tem um Uno. Sabem aquele carro da Fiat, que agora tem o Novo e é todo bunis? Então. Eu gosto de Uno. Enfim, voltando: ele tava dizendo pro amigo que as muléres viam o carro e desistiam de ir pra casa com ele. Eu achei genial… Porque assim, homem é muito reclamão, né?

Se não tem carro, diz que não pega mulher porque não tem carro. Se tem um carro que não é novo/da moda/caro/sei la eu, diz que não pega por isso. Já vi caras com carros caros (eu não sei o nome porque eu to pouco ligando e não entendo de carros, um abs. Quando quiser uma aula sobre o metrô de SP, me liga) dizendo que não pegam direito também.

Assim, vou esclarecer, amigos: se você não pega mulher é porque ninguém quer te pegar. Tipo, você pode ser lindão, rico ou uma ótima pessoa, mas 1) se a mulher não quer, não vai rolar; 2) se a mulher não quer, não vai rolar; 3) se a mulher não quer, não vai rolar; ou 4) se a mulher não quer, não vai rolar.

Pessoalmente, eu prefiro um cara sem carro, que pegue o metrô na Sé às 7 da manhã todo dia, do que um cara que se o carro vai para a oficina precisa ligar pra mãe pra saber qual ônibus pegar pra chegar no trabalho.

“MÃÃÃE, DESCI NO PONTO ERRADO,VEM ME BUSCAR”

Não que um carro seja um ponto contra, né. Não to fazendo aula de direção à toa: mim gostar de carros, mas mim preferir andar em São Paulo de metrô, porque mim odiar trânsito. Não o tipo de “odeio trânsito, mas odeio mais me espremer no metrô lotado”, é do tipo que prefiro sentir a essência paulistana depois de 12 horas de trabalho a ficar parada no caraio do carro por horas.

Sei la, eu prefiro. Acho que nasci pra ser pobre. OU pra ser muito rica, já que eu não ligaria de ir trabalhar de helicóptero, né.

“Isa, quer uma carona no meu helicóptero muito foda e rápido?” Ai, Eike, não precisava, mas não quero fazer desfeita, né.

1 comentário

Arquivado em Domingando, ME AMEM, Wait... What?

Esse pessoal esperto…

Holla, como estás?

Ontem eu estava toda bonita, à caminho da casa do namorado, no metrô da linha vermelha sentido Corinthians-Itaquera (aka “o inferno na terra”), quando, na estação Pedro II, uma senhora tentou entrar no metrô, mas as portas fecharam. Ela fez aquela cara de porravouterqueesperaroutrometrôputaquepariucondutorfilhodaputacorriatoa quando, de repente, não mais que repente, as portas abriram de novo (!!!) porque algum bonitão-sensual em outro vagão segurou a porta e, assim, fudeu com o esquema. Graças a isso, a porta abriu de novo, mas em 2 segundos a campainha já soou de novo e a porta fechou, SÓ QUE a mulher, aquela danadinha, conseguiu entrar no vagão. Ela deu uns pulinhos, achando que tava correndo, e quando entrou olhou pra porta pensando PEGA EU AGORA, e, toda pimpona, quase caiu quando o metrô andou, já que ela tava ocupada demais zoando a porta e não segurou em lugar nenhum.

Mulher feliz

CONSEGUI, CONSEGUI!111!!

Moral da história é que, mesmo quando você consegue trollar o metrô, ele é tipo Cristine, o Carro Assassino, e não vai deixar por isso.

Bom, já que o post é sobre metrô e trem, não posso deixar de mencionar que, sexta-feira, acho (oi), no trem Itapevi-Julio Prestes (observem como eu só faço os caminhos legais: linha vermelha, linha de Itapevi/Carapicuiba/Osasco/etc. Nunca pego a linha Osasco-Grajaú, que é a linha com ar condicionado e que passa pelo Jardins, Morumbi e Berrini. A vida não ta fácil) tinha um individuo não identificado (vamos chama-lo de Jorge) usando uma máscara de… De… Sei la, acho que era aquela que o povo usa em construção pra não ficar cheirando cal, cimento, drogas, sei la. Enfim, Jorge estava usando uma máscara dessas, e também estava falando sozinho. Eu tava lendo, então demorei pra perceber que o infeliz que tava falando alto no trem era o Jorge, e que ainda tava falando sozinho, dai só peguei a partir do assunto Jesus: “Tem vários por ai tentando me pegar, mas eles não vão conseguir. Não, eu não vou matar nenhum deles, porque Jesus é a minha arma“. Nessa hora eu já me emocionei, porque percebi que Jorge era um poeta. E não fui só eu que percebi isso, várias pessoas que sentaram perto do Jorge estavam prestando atenção e respondendo (!!!), achei genial. E claro que o Jorge continuou: “Uma vez, antes de eu ir preso, eu tava fugindo da puliça e o cara passou bem onde eu tava, mas ele não me viu. Sabe por que ele não me viu? Porque deus cegou ele na hora“.

Nessa hora caiu uma lagrima dos olhos de todos presentes, nos abraçamos e ficamos conversando sobre como deus é muito incrivel e como o Jorge tinha sorte de ter deus ao seu lado.

Claro que, na vida real, eu só pensei “se um dia for usar drogas, vou perguntar para o Jorge quais ele usa, porque eu quero deus cegando todo mundo que é cuzão comigo”.

Tipo, imaginem a cena: o trem balançando, você ouve alguém falando alto, a pessoa falando alto ta usando uma máscara de construção, falando sobre Deus cegar policiais e pessoas estão respondendo o infeliz.

COMO NÃO AMAR ESSA LINHA DE TREM?

Jorge

“Não foi hoje, seu puliça”

Hoje é domingo, esse é o melhor que vocês conseguirão de mim.

Porque assim, meu domingo ta terminando com meu irmão passando pela porta do meu quarto de cueca samba-canção, camiseta branca, meia velha toda acabada e CROCS. A imagem do inferno. Só não ganha do dia que ele veio só de cueca e meia velha, fazendo pose de fisiculturista [???] e dizendo “Olha, Isa, como eu to ~definido~”.

fisiculturista wtf

Olha pra mim, Isa! Olha, olha!

6 Comentários

Arquivado em Domingando, Wait... What?

Infância, “amigos”, amigos e mendigos

Eu percebi que eu tenho problemas para manter amigos.

Não que nem todo mundo diz aaah, eu sou inconstante e indie blablabla me canso das pessoas blablabla sou trouxa mesmo blablabla. Não, amigos. Sou do tipo que um dia tá por ai saltitando com o amiguinho e meses depois pensa “OPA, cadê o Fulano?”. Bom, o Fulano cansou de esperar que você respondesse os sms, emails, mensagens no msn, scraps no orkut e telegramas, dai ele está vivendo a vida dele igualzinho você estava fazendo, só que ele tem noção de que você esqueceu dele, enquanto você só lembrou 6 meses depois, sua linda.

É, eu sou dessas.

Isso me lembra meus amigos na 1ª série. Mentira, eu não tinha amigos na 1ª série. Sem brincadeira, minha “amiga” (Daiane, nunca esquecerei seu nome, bitch) andava comigo porque eu levava mini coxinhas (é, daquelas de festa) como lanche. Eu não gostava de comer as coxinhas, dai ela comia tudo e na metade do recreio ela ia brincar com as outras crianças… As crianças legais e bonitas, as crianças que não eram uma das mais altas da sala ou que a mãe fazia um coque no topo da cabeça porque tinha preguiça de arrumar o cabelo da filha. Yes, I was that girl.

Além de ser a menina muito alta com um coque muito alto, eu era a menina que nunca tinha brincado na rua. Fui criada, até os 9 anos, pela TV e pelo computador. Btw: Quando minha mãe ia limpar a casa, ela colocava minha TV 14’ no quintal, em cima de uma mesinha que eu tinha, ligada numa extensão que ia na tomada lá dentro. Daí, enquanto eu assistia TV, as vezes, passavam uns mendigos na calçadas e resolviam que havia muito tempo que não assistiam Chaves e Chapolin, daí eles sentavam na calçada e ficavam assistindo TV. É, eu tinha amigos especiais. Isso que dá criar uma criança em Osasco.

Antes eu precisava ir até o portão, mas agora o YT faz todo o trabalho da TV da Isa

Na verdade eu era uma criança especial. Isso, na verdade quer dizer que quando eu vi a minha “amiga” chamando a faxineira de “tia”, eu achei que a faxineira realmente fosse tia dela. HOW AWESOME WAS I?

Mas nem tudo foi tão deprimente assim, ainda na 1ª série eu tive uma discussão “minha mochila é mais legal que a sua”, com a outra menina muito alta da minha sala, que consistia em falar “filha da puta” sem entender exatamente o que significava.

E eu ainda tinha tempo para ser a melhor aluna da sala (sério.).

Meu reinado de melhor aluna da sala durou até a 8ª série, ano que eu estava numa escola particular e conheci um dos meus amigos mais importantes until today. Ele era o Gian, eu era a Isa e nós éramos conhecidos como “a dupla”. Não só nós ficamos conhecidos na escola como nossas mães também. Good times. Virei rebelde e só sai dessa aos 17, quase 18. Ou durou até os 18, quase 19… Talvez até agora, aos 20. Don’t really know.

Anyway, como eu disse no começo: não sei manter amigos. O Gian é um exemplo. Meu outro amigo dessa época, o Felipe, também é outro exemplo. Fora o pessoal do colegial, eu fui pra escola estadual pra não repetir de ano, então fiz novos amigos awesome. E fiz inimizade com uma professora de biologia, só porque pedi para ela descontar a TPM no marido e no filho, não em mim. Viu, eu disse que era uma rebelde fuck yeah.

Ok, meus exemplos de amigos “esquecidos” não foram bons. 90% das pessoas perde contato com os BFF da escola. Eu tenho amigos que eu esqueço sem querer, que são atuais e eu curto mto ta ligado, mas que meu cérebro babacão tem fadiga de manter contato, I guess that’s because people change. Não sei, só to chutando. Eu realmente fico meio nhé quando vejo meus amigos mudando (ou eu mudo e o individuo continua na mesma de sempre), sei la, eu gosto de ter um mínimo de sincronia com meus amigos. Mas isso é bullshit, and do you know why? Porque eu não tenho nenhum amigo, que eu converse todo dia, que eu conheça a mais de dois anos.

Eu tenho o namorado, que é, atualmente, meu melhor amigo em conjunto com mais duas pessoas. Muita gente acha idiota e arriscado ser tão amigo do namorado(a), e sabem o que eu acho dessas pessoas? Go suck some dick. And the balls. Please don’t forget the balls.

Por favor?

 

Mas isso é conversa para outro post.

 

5 Comentários

Arquivado em Domingando, ME AMEM, Wait... What?